Mudanças para conviver com a fibrilação atrial

Tenho algumas dicas para lidar com a fibrilação atrial. Abaixo enumero algumas coisas que tenho feito (ou que ainda pretendo fazer) e que tem ajudado a diminuir a ocorrência da fibrilação. Talvez possa servir para outras pessoas também. Mas lembro novamente que é sempre importante consultar um médico.

  1. Álcool – essa foi fácil, eu nunca gostei de bebidas alcólicas, mas para quem é chegado numa cervejinha e assemelhados, e que tem problema de arritmia, sugiro cortar totalmente pois o álcool interfere nos estímulos elétricos do coração;
  2. Café – não bebo/como nada que contenha caféina;
  3. Refrigerante – nunca consumi muito, mas ultimamente, praticamente nada;
  4. Chocolate – sempre gostei muito de chocolate, mas também estou evitando ao máximo. Só tenho comido quando já estou fibrilado… pelo menos provoca uma sensação de bem estar. Mas sem muito exagero;
  5. Atum, sardinha, salmão – nunca fui muito chegado em peixe ou frutos do mar em geral, mas depois de ler que esses alimentos ajudam o coração a trabalhar melhor, então estou adotando eles na minha dieta. Pretendo fazer outro post a respeito desse assunto;
  6. Isotônicos e outras comidas – tenho tido muito mais cuidado com a alimentação em geral depois que comecei a ter fibrilação atrial. Então evito ao máximo gorduras, frituras, enlatados e etc. Tentei inclusive me tornar vegetariano, mas isso é história para outro post;
  7. Não deitar do lado esquerdo – ao dormir parece que a incidência de fibrilação atrial é maior quando deitamos do lado esquerdo. Quando a fibrilação ocorre durante à noite, fica quase impossível dormir desse lado, pois fico escutando todas as batidas irregulares do meu coração, é terrível. Então deito de barriga para cima ou para o lado direito;
  8. Magnésio – estou ingerindo suplementos de magnésio, mais sobre isso em outro post
  9. Florais – depois de uma consulta com uma monja budista, ela me receitou alguns florais. Falarei sobre isso também em outro post
  10. Exercício físico – sempre gostei de praticar exercícios físicos. Mas não sou muito fã de academia, prefiro praticar ao ar livre mesmo, pois já fico o dia inteiro trancado na frente de um monitor de computador… e sair para ficar dentro de uma academia respirando ar artificial dos ar-condicionados não é nada legal. Gosto muito de jogar tênis, mas como a grana está sempre curta, faço minhas corridas regulares em parques públicos. Corro de 5 a 10km 3x por semana. Por incrível que pareça, quando estou fibrilado e vou correr, normalmente ela passa. Quando a crise está forte, é bem complicado conseguir correr, pois o coração parece que vai sair pela boca, mas depois entro em ritmo sinusal e daí não dá vontade mais de parar de correr;
  11. Revisões – pelo menos uma vez por ano repito diversos exames: teste ergométrico, ecocardiograma, holter, exame de sangue. Apenas para garantir que continua tudo sob controle;
  12. Medicamentos – gostaria de parar com eles, mas infelizmente tenho que tomar meu antiarritmico e meu hormônio para tireoide. Sim, esse problema de fibrilação atrial me levou a ter problema de tireoide. Bom, não foi a fibrilação diretamente, mas sim a antiarritmico (Ancoron) que tomo para manter o ritmo cardíaco sob controle que esculhambou com meus hormônios;
  13. Reiki – fiz uma sessão, e tenho planos de fazer o curso no futuro;
  14. Yoga – dizem que faz muito bem para o coração e diminuir o estresse. Ainda não pratiquei, mas também deixo na lista;
  15. Artes marciais – pratiquei Aikido durante 1 ano. Pretendo voltar em breve;
  16. Cirurgia espiritual à distância – sim já fiz, e sim ajudou muito;
  17. Procedimento – ablação ou minimaze, esse coloco na lista em último lugar e vai ficar aqui mesmo pois não pretendo me submeter a um procedimento para tratar o problema. Muitas pessoas já fizeram e ficaram curadas (pelo menos não tiveram nenhuma fibrilação nos últimos 2 anos). Sei de outros casos que não resolveu e tiveram que fazer um segundo procedimento. Sugiro a leitura do meu post que lista o termo de consentimento do procedimento.

Até a próxima!

Categorias: Uncategorized | 16 Comentários

Navegação de Posts

16 opiniões sobre “Mudanças para conviver com a fibrilação atrial

  1. Jonilda

    Olá meu nome é Jô, a muitos anos tenho arritmia agora evoluiu para Fibrilação Atrial, já experimentei muitas medicações e nada, claro que estou em nível de stresse muito alto, mas confesso que cansei, estou aguardando para fazer uma ablação dia 01/12 agora, espero obter a cura, aí volto a dividir essa experiência com vcs, ok? grande abraço!!!

  2. Queli

    Ola
    Fiz um estudo eletro cardiológico e no meu caso não puderam fazer a ablaçao pois a causa da minha arritmia vem de muito perto da “valvula do coração”
    Entao tento controlar não fazendo esforços físicos. Não ingerindo álcool. O problema foi o aumento MUITO alto de peso e nenhuma dieta esta resolvendo. E para completar adquiri pressão alta que até antes do procedimento eu não tinha.

  3. Ruben Jensen

    Passei a notar a fibrilação atrial recentemente, tinha crises ao dormir, principalmente se deitava sobre o lado esquerdo. Sinto a pulsação que parece que vai parar e de repente dá aquela pulsação super forte que sinto o sangue encher a cabeça. Já tomei dois tipos de medicamento o Ritmonorm e o Ancoron, mas nenhum dos dois resolveu. Sinto com mais intensidade depois das refeições e se estou sob tensão. Alguém já experimentou algum tratamento com acupuntura? Aqui na minha região não tem acupunturista para tentar. Como a acupuntura trata o sistema energético através dos meridianos, quem sabe não ajuda. Temos que conviver e esperar melhores opções de tratamento. Saúde a todos.

  4. jacques

    convivo com fibrilação atrial desde os 20 anos(hoje estou com 41)no inicio a arritmia vinha e voltava, mas desde 2002, ela tornou persistente, tomei choque em 2003 sem sucesso,em 2012, descobri a tecnica com o choque bivolte (INCOR MINAS)me submeti a novo tratamento com sucesso ritmo sinusal, tudo ok. Ate que apos um ano voltou novamente, fiz um exame eletrofisiologico para submeter a ablação, nada de irregular contatado(mas NAO acho um tratamento definitivamente eficaz)novamente choque com sucesso, apos 8 meses voltou, mais choque com sucesso, infelizmente apos 4 meses sai do ritmo sinusal.entao cansei de choque e decidi junto com minha medica eletrfisiologista,Dr.Tereza Grillo,a CONVIVER com o problema,acho feliz o comentario da LFE quando diz que o coração escolheu o “caminho torto” tudo se resume nisso. no meu caso o ventriloco esquerdo esta aumentado pelo tempo que tenho fibrilação por isso esse vai e volta. ja tomei todo tipo de medicação,AMIODARONA,ATENOLOL,e ate RITMONORM na crise.so tomo hj losartana e anlodipina.SIM é possivel conviver com a doença – 1º aceitando a doença e tomando os medicamentos orientados pelo medico,2ºevite o estresse porque isso pode ti dar crises de pânico. VAMOS VIVER MUITO AINDA.

    • Edmundo Rodrigues

      Jacques,

      …mas aceitando o batimento descompassado/acelerado você consegue trabalhar normalmente, brincar com os filhos, etc?

    • Edmundo Rodrigues

      …mestre, após aceitar o ritmo descompassado/acelerado, você consegue ir ao trabalho normalmente, brincar com filhos, etc.?

  5. Jaime

    Obrigado pelas dicas, tenho 44 anos e os episódios têm aumentado, chegando a 2 por mês na média…a principal questão realmente é a total imprevisibilidade e o desconforto. Tomo ritmonorm e atenolol todos os dias.

    • Antonio Dias

      Jaime. No ano passado comecei a ter crises mensais e agora duas vezes por mês. Tomo apenas Atenolol para regular a pressão. No seu caso, que também ingere Ritmonorm, melhorou a frequência das crises? seu ciclo era maior do que 2 vezes por mês? responda por favor para antoniodias@quadranteconsultoria.com.br

      • jacques cleverson coelho

        usei ritmonorm , a 1 ano apos minha arritmia voltar depois de 4 choques,eu e os medicos chegamos a conclusao que vou ter que conviver com o problema tomando apenas remedio para pressao (anlodipino e losartana)nao quero tentar ablasao nem outro tratamento,aceitei o problema e estou bem assim.tenho 28 comp.de ritmonormQUEM PRECISA DESSE MEDICAMENTO posso doar,afinal ele nao e muito barato!só me passa o endereço que envio. Date: Mon, 5 Jan 2015 23:08:52 +0000 To: jacques72vlr@hotmail.com.br

  6. evandro de sena alves

    tenho40 anos e tambem estou com fibrilaçao essas dicas de alimentaçao vao me servir obrigado

  7. Edmundo

    … Hoje ainda continua com essas ações meu nobre? …mais alguma alternativa? Nao estou conseguindo conviver com o medo de voltar a acontecer a qualquer momento.

    • Sim continua tudo igual. O meu medo não de acontecer a qualquer momento pois já praticamente me “acostumei” com isso. Meu medo é de ficar o resto da vida com esse problema ou ter que me submeter ao procedimento de ablação. Não querendo tirar esperanças de quem teve um episódio esporádico, mas uma vez que o coração achou o “caminho torto” para os impulsos elétricos, ele vai achar novamente. Eu tive poucos episódios no início, agora é praticamente todo o dia, mesmo com as medicações, já passei por todas as drogas possíveis, estou na última: amiodarona.

      • Edmundo

        Consegues ter uma vida normal e social normal?

      • A maioria dos meus episódios ocorrem à noite, mas quando tenho durante o dia, fico mais cansado, nervoso e de mau humor por causa desse maldito problema. Após fazer um exercício ou mesmo subir escadas a bateção aumenta e gera um certo desconforto. À noite o único inconveniente é ter que acordar para urinar várias vezes. Então não posso dizer que levo uma vida normal pois a fibrilação está interferindo diretamente na minha qualidade de vida.

      • Edmundo

        …mas vamos nos curar antes de ficar velhinhos. Fé

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: